Peniche

Já foi ilha mas o passar dos anos fez com que se desse o assoreamento daquela que é hoje a península de Peniche. O povoamento da região foi iniciado no tempo de D. Afonso Henriques, quando este concedeu a um cruzado a "herdade de Touguia". Por essa a actual Atouguia da Baleia era um porto, defronte do qual existia a ilha de Peniche. Os séculos foram passando e o progressivo assoreamento deu a Peniche a configuração que tem hoje.

Feita de estórias e de mar, nem o passar dos anos fez esquecer a velha lenda dos "amigos de Peniche". A marina é palco diário do vaivém constante das traineiras e dos homens do mar que fazem da venda do carapau e da sardinha o seu sustento. Sempre vigilante, lá se mantém o imponente forte, hoje museu. Todos os anos, este mesmo forte assiste ao desfile nocturno de barcos engalanados naquela que é a mais popular festa de Peniche em honra de Nossa Senhora da Boa Viagem. Mas enquanto o sol espreita, é de aproveitar as praias de Peniche e dos arredores, que vão desde as de areia fina do Baleal às terapêuticas da Consolação. Um passeio até ao segundo ponto mais a ocidente da Europa -o Cabo Carvoeiro - e uma viagem à magnífica ilha da Berlenga são percursos a não perder

Peniche é a cidade mais ocidental da Europa, o maior porto de pesca tradicional de Portugal e um grande centro atlântico de actividades turístico-marítimas.Junto ao forte o antigo porto mantém o pitoresco das zonas de faina piscatória. Bem perto ficam o Baleal, a costa rendilhada do Cabo Carvoeiro e as pequenas ilhas Berlengas, que pode demandar de barco a partir de Peniche. Se o Baleal é conhecido pelos célebres tubos tão do agrado dos surfistas, não se fique apenas pela praia, pois a pequena aldeia alcandorada sobre uma minúscula península é do mais encantador.

A sua especificidade geo-morfológica, oscilando entre uma realidade insular / peninsular, parece ter moldado e condicionado de um ponto de vista socio-económico e cultural, as populações que ao longo dos tempos ocuparam este território, permitindo simultaneamente que o concelho de Peniche fosse palco de importantes acontecimentos históricos de índole nacional e internacional.

O nome Peniche parece derivar da palavra latina peninsula (paene + insula) que à letra significa quase ilha . Esta origem, aparentemente comprovada pela documentação histórica conhecida, aponta para um quadro cíclico de maior ou menor insularidade desde território, realidade porventura variável de acordo com o ritmo das marés, e cuja memória se terá perpetuado num topónimo que, por força da utilização oral, evoluiu para o seu termo actual: Peniche.

Desde cedo que esta região estremenha parece ter despertado o interesse das comunidades paleolíticas de caçadores-recolectores que perante a diversidade de recursos disponibilizados aqui se terão fixado. As principais estações pré-históricas conhecidas no concelho correspondem a ocupações em gruta, conhecendo-se um importante conjunto de sítios na zona Sudoeste do concelho, no Planalto das Cesaredas

Porém a mais importante estação pré-histórica do concelho é a Gruta da Furninha. Estação hoje localizada junto ao mar, foi ocupada entre o Paleolítico Médio e o final do Calcolítico, tendo sido escavada em 1880 pelo estudioso Joaquim Nery Delgado. Esta gruta, ocupada durante o Paleolítico, como abrigo, e durante o Neolítico e a Idade do Cobre, como necrópole, forneceu um vasto espólio arqueológico, no qual se destacam: vestígios osteológicos de vários hominídeos, nomeadamente do Homo Sapiens (Homem de Neandertal) e de Homo Sapiens Sapiens (Homem actual); vestígios de fauna do período quaternário (peixes e mamíferos); utensílios líticos (bifaces, pontas de seta, ou machados de pedra polida); utensílios em osso; e várias peças de cerâmica neolítica (os célebres vasos de suspensão da Gruta da Furninha) Durante a época romana assiste-se à consolidação de uma economia assente no cultivo das férteis terras aluviais contíguas ao Rio de S. Domingos e à Ribeira de Ferrel, e na exploração de recursos estuarinos e marinhos. Esta última componente parece ter assumido especial importância como parece demonstrar a descoberta junto ao Murraçal da Ajuda (Peniche), de um complexo oleiro que terá laborado no séc. I d.c. do qual se conhecem-se quatro fornos, e que se teria dedicado principalmente à produção de ânforas destinadas ao envase de preparados de peixe. A então ilha de Peniche assentaria a sua actividade económica na exploração de recursos marinhos, particularmente na produção de conservas de peixe. Actividade industrial que volvidos dois mil anos continua a laborar nesta terra piscatória. A presença romana parece também estar atestada no Arquipélago das Berlengas. Hoje reserva natural, a ilha da Berlenga viu na antiguidade as suas águas abrigadas serem fundeadas por embarcações romanas, facto demonstrado pela identificação e recuperação nestas águas de cerca de uma vintena de cepos de âncora em chumbo e de várias ânforas romanas. Para a Idade Média as fontes históricas falam de uma ilha de Peniche integrada na esfera económica e administrativa da importante herdade e depois vila de Atouguia da Baleia. Esta localidade, hoje situada no interior do território a alguma distância do mar, conheceu durante a Idade Média um grande desenvolvimento económico mercê do seu porto, considerado à época de D. Dinis um dos portos mais importantes do reino. Este florescimento económico possibilitado por uma rentável actividade piscatória, assente na captura de espécies como baleia (cetáceo que aliás dá o nome à vila) permitiu a autonomia administrativa deste território face à vizinha povoação de Óbidos. Esta autonomia é concretizada em 1158 quando D. Afonso Henriques concede em Foral a então herdade de Touguia a Guilherme de Corni, cruzado franco que terá servido este monarca na tomada de Lisboa. Se até ao séc. XVI a pouco povoada ilha de Peniche terá vivido na esfera económica e administrativa da Vila de Atouguia da Baleia, a partir deste período, com a lenta formação do actual cordão dunário que liga Peniche ao continente e com o consequente assoreamento do porto de Atouguia da Baleia, assiste-se ao desenvolvimento da jovem povoação de Peniche, elevada em 1609 à categoria de vila e sede de concelho, autonomizando-se de Atouguia da Baleia. Este crescimento urbano, resultante do progressivo aumento do número de moradores na povoação, foi proporcionado pela intensa exploração dos recursos económicos disponíveis na península de Peniche, destacando-se a vigência de uma agricultura assente no cultivo dos cereais e da vinha, e, obviamente, a pesca.

Sem resultados.

CASA DO CORREIO-MOR

Ponte da Barca

Ver Mais

PAÇO DE CALHEIROS

Ponte de Lima

Ver Mais

CASA DO BARREIRO

Ponte de Lima

Ver Mais

CASA DO OUTEIRO

Ponte de Lima

Ver Mais

CASA DA VÁRZEA

Ponte de Lima

Ver Mais

CASA DA LAGE

Ponte de Lima

Ver Mais

CASA DO ANQUIÃO

Ponte de Lima

Ver Mais

CASA DAS TORRES

Ponte de Lima

Ver Mais

Casa do Ameal

Viana do Castelo

Ver Mais

QUINTA DO MONTEVERDE

Viana do Castelo

Ver Mais

CASA DOS ASSENTOS

Barcelos

Ver Mais

CASA DE ALFENA

Póvoa de Lanhoso

Ver Mais

CASA DOS LAGOS

Braga

Ver Mais

CASA DA TOJEIRA

Cabeceiras de Basto

Ver Mais

CASA DAS PAREDES

Fafe

Ver Mais

CASA DE CANEDO

Celorico de Basto

Ver Mais

CASA DOS POMBAIS

Guimarães

Ver Mais

CASA DO RIBEIRO

Guimarães

Ver Mais

CASA DE SEZIM

Guimarães

Ver Mais

CASA DO CAMPO

Celorico de Basto

Ver Mais

Paço de São Cipriano

Guimarães

Ver Mais

CASA DE VILARINHO DE S. ROMÃO

Sabrosa

Ver Mais

CASA DAS TORRES DE OLIVEIRA

Mesão Frio

Ver Mais

CASA DOS VARAIS

Peso da Régua

Ver Mais

CASA DE SANTO ANTONIO DE BRITIANDE

Lamego

Ver Mais

SOLAR SAMPAIO E MELO

Trancoso

Ver Mais

CASA DO CONDADO DE BEIRÓS

S. Pedro do Sul

Ver Mais

QUINTA DE SÃO CAETANO

Viseu

Ver Mais

CASA DE MOGOFORES

Anadia

Ver Mais

CASA DAS TÍLIAS

Seia

Ver Mais

VILA DUPARCHY

Mealhada

Ver Mais

CASA DO CIMO

Fundão

Ver Mais

Quinta da Alcaidaria-Mór

Ourém

Ver Mais

CASA D'ÓBIDOS

Óbidos

Ver Mais

CASA DO CASTELO

Peniche

Ver Mais

CASA DO CRATO

Crato

Ver Mais

CASA DO TERREIRO DO POÇO

Borba

Ver Mais

QUINTA DA PRAIA DAS FONTES

Alcochete

Ver Mais

PALÁCIO DE RIO FRIO

Palmela

Ver Mais

CASA DO ROSSIO

Montemor-o-Novo

Ver Mais

CASA DAS BARCAS

São Roque do Pico

Ver Mais

CASA DAS CALHETAS

Ribeira Grande

Ver Mais

QUINTA DA CALÇADA

Melgaço

Ver Mais

QUINTA DE SANTO ANTÓNIO

Monção

Ver Mais

QUINTA DE CORTINHAS

Arcos de Valdevez

Ver Mais

QUINTA DA PROVA

Ponte da Barca

Ver Mais

QUINTA DO REI

Ponte de Lima

Ver Mais

CASA DA PORTELA DE SAMPRIZ

Ponte da Barca

Ver Mais

QUINTA DA ALDEIA

Ponte de Lima

Ver Mais

QUINTA DA ROSEIRA

Ponte de Lima

Ver Mais

QUINTA DA AGRA

Ponte de Lima

Ver Mais

Quinta do Sobreiro da Facha

Ponte de Lima

Ver Mais

QUINTA DO CASAL DO CONDADO

Ponte de Lima

Ver Mais

QUINTA DA MATA

Chaves

Ver Mais

QUINTA DE PAÇO D'ANHA

Viana do Castelo

Ver Mais

QUINTA DE SANTA BAIA

Ponte de Lima

Ver Mais

QUINTA DE MALTA

Barcelos

Ver Mais

QUINTA DO SOBREIRO

Vila Verde

Ver Mais

QUINTA DE SÃO BENTO

Vila Verde

Ver Mais

QUINTA DO SOURINHO

Barcelos

Ver Mais

QUINTA DE SANTA COMBA

Barcelos

Ver Mais

QUINTA DO CONVENTO DA FRANQUEIRA

Barcelos

Ver Mais

QUINTA DA PONTE DO LOURO

V.N. Famalicão

Ver Mais

QUINTA DE CIMA DE EIRIZ

Guimarães

Ver Mais

QUINTA DA PICARIA

Santo Tirso

Ver Mais

QUINTA DA VEIGA

Sabrosa

Ver Mais

QUINTA DE VENTUZELA

Cinfães

Ver Mais

QUINTA DO TERREIRO

Lamego

Ver Mais

Quinta de Pindela

V.N. Famalicão

Ver Mais

QUINTA DA BACELADA

Meda

Ver Mais

QUINTA DA COMENDA

S. Pedro do Sul

Ver Mais

QUINTA DE SÃO LOURENÇO

Anadia

Ver Mais

QUINTA DO BONJARDIM

Sertã

Ver Mais

MONTE DA CORTE LIGEIRA

Beja

Ver Mais

CASA DA EIRA

Valença

Ver Mais

CASA DA ENCRUZILHADA

Ponte de Lima

Ver Mais

MOINHO DE ESTORÃOS

Ponte de Lima

Ver Mais

CASA DO TAMANQUEIRO

Ponte de Lima

Ver Mais

CASA DE SEQUIADE

Barcelos

Ver Mais

CASA DO FORAL

Rio Maior

Ver Mais

VILLA DAS ROSAS

Sintra

Ver Mais

CASINHA DE MOZELOS

Paredes de Coura

Ver Mais

QUINTA DA BEMVISA

Ponte de Lima

Ver Mais

CASA DA SERRA - CERQUIDO VILLAGE

Ponte de Lima

Ver Mais

Azenha do Rei

Ponte de Lima

Ver Mais

Quinta do Ameal - Enoturismo

Ponte de Lima

Ver Mais

QUINTA DE CARTEMIL

Ponte de Lima

Ver Mais

CASAS DE PORTO BOM

Ponte da Barca

Ver Mais

QUINTA DE SÃO SEBASTIÃO

Ponte de Lima

Ver Mais

Quinta do Sorilhal

Vieira do Minho

Ver Mais

CASA DO CASAL DO CARVALHAL

Amares

Ver Mais

CASA DO MONTE

Barcelos

Ver Mais

QUINTA DO BARRACÃO DA VILARIÇA

Vila Flor

Ver Mais

CASA DE SANTA CRISTINA

Marco de Canaveses

Ver Mais

CASA DAS RENDUFAS

Torres Novas

Ver Mais

CASA DOS MATOS - The Nest

Porto de Mós

Ver Mais

QUINTA DAS LAVANDAS

Castelo de Vide

Ver Mais

CASA DA AL-DEIA

Rio Maior

Ver Mais

Moinho da senta

Rio Maior

Ver Mais

Casa Mar de Serra

Rio Maior

Ver Mais

MOINHO MÓ DA PRAIA

Santa Cruz da Graciosa

Ver Mais

QUINTA DO COVANCO

Alenquer

Ver Mais

CASAS DE ROMARIA

Mora

Ver Mais

MOINHO DO ÁLAMO

Montemor-o-Novo

Ver Mais

CASA DO ALTO DA EIRA

Cuba

Ver Mais

Herdade do Freixial

Odemira

Ver Mais

CASA DAS CORES

Mértola

Ver Mais

HERDADE DOS CASTELEJOS

Castro Verde

Ver Mais

CASAS DA CERCA

Odemira

Ver Mais

CASAS DA PEDRALVA

Vila do Bispo

Ver Mais

SOLAR DA BICA

São Vicente

Ver Mais

Casa do Torril

Ponte de Lima

Ver Mais