No topo duma colina a 1 km das termas do Luso e avistando a deslumbrante mata do Buçaco, ergue-se a Vila Duparchy, casa dos finais do século XIX. Construída pelo engenheiro francês que a convite do rei D. Carlos, supervisionou a construção dos caminhos-de-ferro da Beira Alta.

Em 1895, a Casa da Vila Duparchy passou a propriedade da família Duarte Figueiredo. Oferece conforto e qualidade, com seis quartos luminosos, salas de estar e de jantar com mobiliário e coleções antigas, sempre coroado do toque especial da dona da casa. O jardim abre-se numa vista magnífica sobre o Luso, com seis hectares, fruto de gerações dos monges Carmelitas Descalços.

Um convite de descoberta de árvores seculares, com origem dos vários cantos do mundo: América, Austrália e Himalaias, convidando a uma estadia diferente, de inspiração e de sonho.

Alojamento

  • 3 x Duplo - Desde 75.00€ / noite
  • 3 x Twin - Desde 75.00€ / noite

Características

  • Estacionamento
  • Fala-se espanhol
  • Fala-se francês
  • Fala-se inglês
  • Jardins
  • Passeios a Pé
  • Piscina
  • Refeições mediante solicitação
  • Sala de TV
  • Sala para conferências
  • Termas

Morada

Luso

180 TH

No cimo de uma colina rodeada de abundante vegetação, com vista sobre a povoação do Luso e nas imediações da bonita mata do Buçaco, ergue-se este edifício de finais do século XIX, construído pelo engenheiro francês que, a convite do rei D. Carlos, supervisionou a construção dos caminhos-de-ferro da Beira Alta. Em 1895, acabou por ser adquirida pela família Duarte Figueiredo, sendo os actuais proprietários seus descendentes.

A Vila Duparchy é dotada de seis amplos quartos, três salas de estar e uma sala de jantar. No interior, sobressaem as formas arredondadas nas escadas e vãos das portas, o chão de princípio do século e as lareiras de mármore com remates talhados. O mobiliário dos quartos de dormir é da mesma época, com cabeceiras de madeira rematadas com pináculos altos e torneados e tecidos em tons claros. Num dos quartos, destaca-se um bonito fórnice de madeira e vidro, e em toda a casa abundam os pormenores decorativos: apliques, candelabros, gravuras e espelhos.

A propriedade está enquadrada num espaço arborizado de seis hectares, plantado e cuidado por gerações dos monges Carmelitas Descalços. Possui ainda o encanto de estar rodeada por árvores seculares provenientes de vários cantos do mundo: América, Austrália e Himalaias. Uma estada que dificilmente se apaga da memória.

In Solares de Portugal A arte de bem receber , Edições INAPA, 2007