No concelho de Santo Tirso, localiza-se a fértil Quinta da Picaria. Casa do século XVIII, representa um exemplar perfeito das casas de lavoura desta época. Integrada na beleza das vinhas e dos pomares, os tanques de água, a eira, o silêncio ideal para os amantes da natureza. Reza a lenda que Viriato construíra neste local uma base de apoio para travar o avanço romano. A casa cuidadosamente recuperada, oferece conforto e qualidade. Constitui uma experiência inspiradora e confortante, um verdadeiro regresso às origens do campo, com eira, lagar e adega tradicional. Neste lugar, o silêncio e os pássaros são uma bênção. Nos dias de calor, nada é mais saboroso provar do que o vinho Verde produzido na quinta.

Alojamento

  • 2 x Duplo - Desde 65.00€ / noite
  • 2 x Twin - Desde 65.00€ / noite

Características

  • Aceita animais
  • Biblioteca
  • Bicicletas
  • Fala-se espanhol
  • Fala-se francês
  • Fala-se inglês
  • Jardins
  • Passeios a Pé
  • Provas de vinho

Morada

Rua da Picaria, 194

182 TH

A beleza das vinhas e dos pomares, o tanque da água e a eira toda em pedra formam a perfeita tela viva do ambiente rural. E aqui mesmo, num local que a natureza privilegiou, que a Quinta da Picaria se encontra edificadas, mostrando ser um exemplar perfeito das casas de lavoura do século XVIII, e para onde se entra sob um acolhedor caramanchão.

Reza a lenda que Viriato terá construído neste lugar uma base de apoio para lutar contra o avanço romano, história sustentada pelos vestígios de castros no monte da Assunção, frondosa elevação que aconchega todo este imenso vale e por onde corre o Leça que, curiosamente, assenta a sua nascente no seu interior.

A esquerda de quem chega vislumbra-se a antiga casa dos caseiros, construída em granito bruto, que hoje serve para acolher os hóspedes.

No interior dos quartos, manteve-se o que já existia de origem: a madeira, o soalho e o tecto.

O mobiliário é singelo e não destoa da arquitectura. Em frente deste edifício encontra-se ainda uma casa térrea, equipada com lareira e sofás, que serve de sala de estar. Através da janela pode ainda avistar-se um pequeno horto.

Num plano mais elevado e separada por um pequeno portão, descobre-se a casa de família que tem, em frente, a eira junto da qual ainda se conservam a casa de secar os cereais e a adega, com o respectivo lagar e a loja para guardar as pipas - tudo construção do século XIX.

Neste lugar, nada perturba a pacatez. Nos dias de calor, nada é mais saboroso provar do que o vinho verde produzido na Quinta.

In Solares de Portugal A arte de bem receber , Edições INAPA, 2007